Tecendo a Trama

Espaço pra contar histórias e dividir impressões sobre o lido, assistido, inventado, experienciado, cantado ou ouvido. Tecendo a trama do cotidiano.

Filme – Lá na Terra do Nunca

Por Ana Lucia Gondim Bastos

A história de Peter Pan e Wendy (Barrie, 1901) conta de um vôo realizado num momento da vida, no qual é inevitável a percepção de que se tem que crescer. Um vôo para uma Terra regida por duas forças antagônicas representadas, respectivamente, por um menino que tem todos os dentes de leite e não envelhece nunca  e por um velho pirata, assustado com a morte, que tem em seu encalço um jacaré que, através do tique taque do relógio que leva dentro da barriga, anuncia que o tempo do pirata Gancho está acabando. Na verdade o jacaré, representante da morte, já lhe engoliu um braço e, em breve, o engolirá inteiro! Esse vôo ocorre, na maior parte das histórias, durante a adolescência. Contudo, adverte Barrie, os pais dos aventureiros precisam cuidar de manter as janelas de casa abertas para que seus filhos possam voltar e não fiquem presos lá, sem conseguir colocar seu desenvolvimento em curso, podendo aproveitar as novas fases da vida. O próprio Barrie, ao que tudo indica, foi um aventureiro que teve a janela de casa fechada em virtude da precoce morte do irmão mais velho que fez com que sua mãe caísse numa depressão que a impediu de ter um olhar de investimento no filho mais novo. A inspiração para o personagem Peter Pan também parece ter vindo de uma outra história de janela fechada: dessa vez por conta da morte repentina do pai de um garotinho que, juntamente com seus outro quatro irmãos, costumava encontrar com Barrie durante seus passeios com seu cachorro São Bernardo. E exemplos de janelas fechadas e pessoas presas à Terra do Nunca: crianças eternas ou velhos (não menos infantis, até por serem o outro lado da mesma moeda) apavorados com iminência da morte, driblando qualquer sinal da passagem do tempo, não deve faltar no roteiro de vida de ninguém. Ainda mais em tempos de superinvestimentos narcísicos! Vale notar que a idade é bem variada, tanto das crianças eternas, quanto dos velhos assustados, já que estamos falando de atitudes diante da vida, das suas dores e delícias. Sempre gostei dessas imagens para falar sobre caminhos e percalços do desenvolvimento humano e, por isso mesmo, acho que mais cedo ou mais tarde, acabaria escrevendo um texto sobre Peter Pan. Contudo, acho que sei porque foi hoje que tive vontade, talvez necessidade, de escrever este texto. Hoje, tive a notícia da morte de Robin Williams, ao que parece, por suicídio. O ator que tinha a cara de Peter Pan, não só por ter feito um filme representando o personagem, mas por tantos outros papéis lúdicos e encantados que trazia no currículo, parece ter encontrado janelas fechadas! Ele, que abriu, para tanta gente, tantas janelas com seus personagens, desistiu te tentar abrir as suas próprias. Um momento duro, de muita dor e que merece muito respeito. Deixo, então, aqui, meu registro de gratidão pelo Popeye, pelo Path Adams, pelo Peter Pan, pelo Gênio do Aladin, pela babá quase perfeita, pelo idealizador da Sociedade dos Poetas Mortos e por todos os personagens que continuarão conosco trazendo a magia que precisamos para encarar a vida adulta livres da Terra do Nunca!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 23 de maio de 2015 por .
%d blogueiros gostam disto: