Tecendo a Trama

Espaço pra contar histórias e dividir impressões sobre o lido, assistido, inventado, experienciado, cantado ou ouvido. Tecendo a trama do cotidiano.

Teatro – Grande Circo Místico

O Grito do Homem Voador ao cair em Si…

Sobre o Grande Circo Místico (dores e sabores)

(Por Ana Lucia Gondim Bastos)

Das guerras, dos desencontros, dos dissabores, da crueldade, dos massacres, da morte e da destruição. Do amor, da alegria, dos bons encontros, das risadas, da poesia, da beleza, do abraço e do laço. De tudo isso é feita a vida nesse mundo, no qual vive o homem que, quando cai em si,  já se lançou! Um Grande Circo Místico, com trapezistas, bailarinas, acrobatas, muitos palhaços e a fé de que vale à pena continuar a história da nossa gente. “É a arte de deixar algum lugar, quando não se tem pra onde ir”, afinal temos todos almas de artista e “toda alma de artista quer partir”, mas não sem antes “parar, ouvir, sentir que tatibitate que bate o coração”.  Um espetáculo sobre a dança de corpos de Afrodite e Hades, Eros e Tanatos. Os que podem ter a soberania do amor, nos seus corpos e em suas almas, carregam consigo, como diz Frederico à sua amada Beatriz, um trevo da sorte que é a certeza de querer ver seu amor no dia seguinte. E assim seguem a vida , confiantes na força da poesia. Mas, quando vem a guerra tudo isso fica impossibilitado. E as crianças, que poderiam estar na plateia do circo, se entretendo com os palhaços que as divertem ou com os trapezistas que as impressionam ou, ainda, com os mágicos que as fazem acreditar que toda fantasia pode ser possível no mundo real, gritam de pavor e dor, muito antes de se perceberem capazes de voar como aqueles artistas de circo e de, até, virem a achar a aventura interessante.  E os adultos, sofrem por suas crianças, e pelas crianças que ainda são, por saber que poderiam estar fazendo parte dessa plateia ou mesmo do espetáculo! Sofrem também de dor e pavor, porque a guerra tira o véu de poesia da vida que, assim, é  muito dura, triste e crua.

O Grande Circo Místico, em cartaz em São Paulo, chega em momento oportuno. Momento de tanta atrocidade, que separa tantos Fredericos de suas Beatrizes, tantos filhos de suas mães, tantas pessoas da vida que vinham construindo até aqui. Torçamos, e façamos a nossa parte, para que Afrodite distraia Hades, como propõe o personagem de Fernando Eiras, e que muitas trupes de artistas continuem se animando a buscar novas paragens, “mais um dia, mais uma cidade para enlouquecer/ o bem querer, o turbilhão/ Bocas quantas bocas a cidade vai abrir, p’ruma alma de artistas se entregar/ palmas pro artista confundir/ pernas pro artista tropeçar”. Obrigada a todos eles que nos fazem sentir, como Frederico, portadores de trevos da sorte, só porque queremos vê-los amanhã, novamente! Obrigada Chico Buarque e Edu Lobo pelas músicas e melodias, que nos fazem sonhar!

(todos os trechos entre aspas são de músicas do disco O Grande Circo Místico, da dupla citada)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 23 de maio de 2015 por .
%d blogueiros gostam disto: