Tecendo a Trama

Espaço pra contar histórias e dividir impressões sobre o lido, assistido, inventado, experienciado, cantado ou ouvido. Tecendo a trama do cotidiano.

Documentário – TERRITÓRIO DO BRINCAR

Por Ana Lucia Gondim Bastos

(texto publicado na Revista Tipiti Mitã – edição de maio/2015)

Entre a realidade externa e a realidade interna existe o espaço da brincadeira. Um espaço onde é possível criar um mundo encantado, sem tirar os pés do chão. Espaço no qual o presente do agora pode ser conjugado num passado imperfeito, onde, como na poesia de Chico Buarque, “agora eu era o herói e meu cavalo só falava inglês e a noiva do cowboy era você além das outras três”, mas também onde posso ser bedel, juiz ou rei. Nesse espaço podemos estar sozinhos ou acompanhados, aliás, como outros espaços, é muito bom de se compartilhar. Juntamente com a consciência de que estamos num mundo de relações complexas, submetidos à nossa frágil condição de vulneráveis mortais, desenvolvemos, a capacidade de simbolizar, de brincar, de jogar e rir até a barriga doer. Ganhamos, assim, passagem livre para o Território do Brincar, aquele que faz da vida uma divertida aventura! A brincadeira não é exclusividade da infância. Mas, é lá na infância – quando vivemos intensamente um cotidiano repleto de grandes descobertas – que passamos a construir e delimitar tal território. É através dele que damos conta de tanta novidade que o mundo nos oferece.

Conheci Renata Meirelles em 1999 e ela já tinha escolhido manter um território do brincar à maneira das crianças, na sua vida de adulta. Na época ela trabalhava numa instituição de educação não formal chamada Colmeia (http://www.colmeia.org.br/) e convidava educadores a resgatar tal território em suas vidas e a dialogar com outros desses territórios, que outras pessoas criaram, mundo afora. Naquela época, ela planejava uma viagem à Amazônia, depois da qual nunca mais a encontrei. Passados todos esses anos, reencontro Renata às vésperas do lançamento do documentário, que dirigiu em parceria com o marido, David Reeks. “Território do Brincar”, me contou a diretora, é um documentário parte de um projeto mais amplo de pesquisa e difusão, um projeto que visa conhecer as crianças e suas brincadeiras, a partir delas mesmas, indo a campo e buscando, nos lugares onde vivem, conhecer como habitam o território do brincar (http://territoriodobrincar.com.br/o-projeto/). O documentário é reconhecido, pela dupla de diretores, como uma forma privilegiada de apresentar o material que foram recolhendo pelo Brasil, mas também o fazem através de formações de educadores, livros e outras atividades de difusão. O projeto é o segundo do casal, que já havia viajado pela Amazônia no Projeto BIRA (Brincadeiras infantis da Região Amazônica), em 2000. Já mais experientes no trabalho “de pé na estrada”, tiveram uma particular motivação para idealizar e desenvolver o “Território do Brincar”: tinham dois filhos (2 e 4 anos) e se questionavam acerca das possibilidades que a vida na cidade grande poderia oferecer para os territórios do brincar, da família inteira. Decidiram, então, passar dois anos à procura de brincadeiras e o resultado foi mágico! Diz Renata que ao chegar às comunidades com as duas crianças, onde quer que fosse, percebia uma imediata disponibilidade, de todos, para trocas de informações e experiências. Principalmente por parte das crianças do local, que logo convidavam os visitantes a brincar, já que essa é a primeira forma de manter contato interpessoal, na infância. E foi assim que Renata e David fizeram uma integração entre as várias esferas do cotidiano, bem incomum nos dias de hoje. Lazer, trabalho, brincadeira e responsabilidade, tudo junto e misturado e com os filhos sempre bem perto. A tarefa de apresentar o mundo aos filhos fundida à tarefa de transformar esse mundo, assim como a tarefa de trabalhar para manter a família fundida às tarefas de cuidados domésticos, sempre com todo mundo se responsabilizando por tudo e compartilhando tudo. Hoje, de volta a São Paulo, escolheram morar no interior, numa casa com quintal. As crianças foram para escola e o casal cuida da edição e divulgação do documentário, assim como das outras tantas atividades decorrentes do projeto. Mas, mantêm a proposta iniciada em 2012, de respeito com o modelo de vida que escolheram, prestando atenção para que nunca escapem por muito tempo do território do brincar ou que o deixem escapar de dentro deles. História bonita de se acompanhar e um resultado de trabalho primoroso.

territorio-do-brincar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 26 de junho de 2015 por .
%d blogueiros gostam disto: