Tecendo a Trama

Espaço pra contar histórias e dividir impressões sobre o lido, assistido, inventado, experienciado, cantado ou ouvido. Tecendo a trama do cotidiano.

Teatro – Camille e Rodin

Por Ana Lucia Gondim Bastos

Desde cedo, Camille se encantava com a possibilidade de dar forma e vida ao barro. Vivia com cabelos em desalinho, roupas e mãos sujas, comportamento inadequado para uma menina, no final do século XIX. O encantamento pela escultura, e a consequente postura diante da vida, de sua formação e dos costumes da época, afastaram Camille Claudel da mãe, que recriminava suas atitudes, e fizeram seu pai, orgulhoso, apostar no futuro da filha artista. Foi assim que Camille pôde sair do interior da França rumo a Paris, em 1881. Foi lá, aos 19 anos, que conheceu Auguste Rodin, com quem viveu uma longa história de intensidades emocionais ambivalentes e arrebatadoras.

A peça Camille e Rodin, dirigida por Elias Andreato, tem como foco a relação dos dois escultores, interpretados por Melissa Vettore e Leopoldo Pacheco, desde o início até o fim, quando a Porta do Inferno se abre para Camille. Para aquela que ousou buscar espaço numa seara, predominantemente, masculina. Aquela que ousou querer tirar emoção e movimento da pedra e do bronze. Aquela que ousou amar um homem comprometido com uma outra mulher, assim como com os ditames de sua época e do meio artístico e político, da Paris do início do século XX. Aquela para a qual foi apresentada a Porta do Inferno, primeiro como projeto grandioso de seu mestre e depois como metáfora para onde a levou seu amor. Aquela para qual, as mãos e pés das obras assinadas por Rodin, era pouco para expressar seu talento e suas emoções. Aquela que lutou por ter seu trabalho autoral garantido. Aquela que conheceu o isolamento e a loucura, por desejar mais do que lhe foi permitido, por ser mulher.

Os atores parecem bailar, enquanto dialogam e trazem pro palco do auditório do MASP, a dureza de esculpir na pedra um relacionamento no qual uma mulher reconhece sua força e talento, e não aceita se encaixar, passivamente, no apertado espaço que lhe é destinado. Sem dúvida, mais que um importante registro histórico, traz inspiração para seguirmos alargando espaços.

20140718101607383512e

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 6 de novembro de 2016 por .
%d blogueiros gostam disto: