Tecendo a Trama

Espaço pra contar histórias e dividir impressões sobre o lido, assistido, inventado, experienciado, cantado ou ouvido. Tecendo a trama do cotidiano.

Filme – A Garota no Trem

Por Ana Lucia Gondim Bastos

Não é pouco frequente, nas conversas de mães sobre seus filhos, o juízo acerca das diferenças marcantes entre se criar meninos e meninas. As características de personalidade atribuídas ao gênero falam sempre de meninas sendo dóceis, meigas e obedientes e meninos agitados, inquietos e impacientes. Mas, é claro, que quando uma menina é mais agitada, é dito em tom complacente que ela é um verdadeiro moleque. De todo jeito a questão é que não tem muito por onde fugir: ou se enquadra na regra ou se é a exceção que confirma a própria regra. Ainda estamos muito longe de poder enxergar o mundo com mais cores e tonalidades, do que o bipartido mundo do pink and blue.

No tocante às relações estabelecidas entre meninos e meninas, a coisa não é diferente. É usual o comentário das mães de meninas acerca das amigas cheias de “picuinhas” e invejinhas. Já os meninos querem ser os melhores nos esportes ou nos estudos, mas as meninas querem o que é da outra. Então, acredita-se ser muito difícil amizade entre mulheres. Os homens, ao contrário, são sempre bons camaradas, sempre dispostos a se divertirem junto com os amigos, enquanto as meninas ficam felizes com o insucesso das parceiras, pois isso valoriza seu próprio sucesso.

E, assim, crescemos achando que homens são mais verdadeiros e confiáveis e mulheres mais vaidosas e auto centradas. É assim que começamos a entrar na trama do último filme de Tate Taylor, baseado no livro de Paula Hawkins, A Garota no Trem (2016). As histórias de três mulheres são apresentadas, inicialmente, separadamente, como em três capítulos. Rachel (Emily Blunt) passa de trem todos os dias na frente das casas à beira dos trilhos, imaginando vidas que nunca viveu (nem viverá, por serem de outras pessoas), principalmente a vida de Megan (Rebecca Ferguson) e Anna (Haley Bennet). A primeira idealizada como protagonista de um grande romance e a segunda idealizada como a mulher casada que pôde gerar um lindo bebê, que, hoje, completa a felicidade de um casal. Quando Megan fala de Megan, diz de uma mulher que vive um conflito muito grande com a maternidade, trabalha como babá, mas tem muita resistência em se imaginas mãe e, por fim, quando Anna fala de Anna, diz de uma mulher realizada com a maternidade e o casamento, a não ser pela presença frequente e ameaçadora da ex mulher de seu atual marido. Quando as vidas dessas três personagens começam a se apresentar entrelaçadas, não só o clima de suspense é crescente, como todas essas construções sociais acerca das (im)possibilidades das relações entre mulheres vêm à tona. Bonito ver como isso vai se mostrando e se ocultando no decorrer da trama. Apesar de longe de finais muito felizes (pelo menos não para todos), dá uma ponta de esperança nas relações de amizade e parceria que a bebê de Anna poderá vir a construir no futuro, com outras meninas. Porque uma hora vamos perceber e admitir que naturalizamos o que em nada é natural. E vamos perceber e admitir o poder das nossas profecias realizadoras, que transforma meninas em princesas e meninos em super heróis. Quem sai ganhando com isso? Ninguém! Que, cada vez mais, as garotas nos trens (ou nas páginas do facebook) possam apreciar mais as paisagens e os bons textos do que imagens de  vidas alheias, que supostamente poderiam ter tido se mais “vocação” (ou “competência”) para princesas tivessem.

maxresdefault

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 4 de dezembro de 2016 por .
%d blogueiros gostam disto: