Tecendo a Trama

Espaço pra contar histórias e dividir impressões sobre o lido, assistido, inventado, experienciado, cantado ou ouvido. Tecendo a trama do cotidiano.

Filme – Moonlight: sob a luz do luar

por Ana Lucia Gondim Bastos

Sob a luz do luar todo negro fica azul, um dia alguém disse a Bogg (personagem de Mehershala Ali, que lhe rendeu o Oscar de melhor ator coadjuvante, este ano). Mas, ele não era todo (ou qualquer) negro. Tinha características e história muito particulares (como todo mundo tem), havia vindo de Cuba e, àquela altura, trabalhava como um chefe do tráfico de drogas, em Miami. Ao contar sua história para o pequeno Chiron, adverte: “nunca deixe que digam quem você é. Chega um momento que você deve ser quem é e não quem os outros pretendem que seja”. Chiron, protagonista cuja história acompanhamos em três tempos – infância, adolescência e vida adulta – busca esse contorno identitário, mas seus cenários são sempre muito restritivos e em nada facilitam tal busca ou possíveis entendimentos acerca de quem vai se tornando a medida que o tempo e os acontecimentos passam. O olhar de desamparo e desconfiança que não muda no Chiron pequeno, adolescente ou adulto (papéis brilhantes de Alex Hibbert, Ashton Sanders e Trevante Rhodes, respectivamente) falam desse pouco espaço para qualquer tipo autoconhecimento ou para qualquer espaço de continência de um desenvolvimento, razoavelmente, saudável. A criança que não consegue esconder a fragilidade, sofre a pressão do grupo que não perdoa quem não “sabe se defender e age como frouxo” e, então, o tacham de bicha (faggie). Mas, o que significa ser frouxo, ou bicha, ou azul? Como podem as drogas sustentarem quem consegue sustentar o olhar para uma criança e destruírem, ao mesmo tempo, a mãe dela? Será mesmo que são as drogas que destroem ou algo muito anterior? Para completar a confusão de Chiron, o amor sempre aparece em situações inusitadas, quando menos espera ou, talvez, onde não pudesse esperar. Enfim, Moonlight de Barry Jenkins (vencedor do Oscar de 217), mostra que ninguém é só azul sob a luz do luar e que precisamos de calor e espaço ao sol para escolhermos caminhos. Um belo filme!

120353_057

2 comentários em “Filme – Moonlight: sob a luz do luar

  1. Fabiana Hueb
    13 de março de 2017

    Belo e estranhamente premiado pela tradicional Academia! O erro histórico no anúncio do prêmio não foi um ato falho?

    Curtir

Deixe uma resposta para Fabiana Hueb Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 4 de março de 2017 por .
%d blogueiros gostam disto: